• +55 (61) 3345.0477 / +55 (61) 98178.8117 (WhatsApp)

Artigos

O que você, mulher, pensa sobre dinheiro?

Quinta, 16 Agosto 2012 20:35

Ao longo de nossa existência, construímos um sistema de crenças, ao qual somos muito fiéis. Nele estão contidos ensinamentos frente à vida e também ao dinheiro.

Nós, mulheres, aprendemos muitas vezes que “finanças são para homens”, que “dinheiro é algo complicado”, que “investimento é para quem ganha muito” ou ainda que “mulheres não têm inteligência para números”.

Se quisermos melhorar nossa saúde financeira, precisamos rever nossos pensamentos, sentimentos e posturas diante do dinheiro.

Abrir a mente para novas possibilidades de enriquecimento é essencial: “finanças também são coisas de mulher”; “investimento é para todos”; “mulheres podem enriquecer sozinhas ou acompanhadas!”

Pontos freqüentes, no mundo feminino, são a falta de conhecimento financeiro para poupar e o impulso de consumir.

Para esta desinformação existe remédio: investir em educação! E hoje temos educação financeira de qualidade, disponível para todos: em livros, internet e em seminários práticos, como a Expo Money.

Já o impulso de consumo precisa ser visto com cuidado, pois é algo complexo, que envolve inúmeros fatores. Um deles está ligado ao nosso estado emocional e auto-estima. Nosso amor próprio influencia diretamente a relação com o mundo e também com o dinheiro. Se nos sentirmos mal-amadas, ficaremos mais vulneráveis a qualquer compulsão. Se nos apreciarmos e estivermos felizes, não necessitaremos consumir tanto!

O vazio interior nos faz buscar preenchimento, freqüentemente, em questões que, na realidade, não nos nutrem, como excesso de comida, de álcool, de compras, etc. Precisamos nos perguntar: Estamos realizadas? Nossos relacionamentos são satisfatórios? Sentimo-nos integradas e importantes ao grupo que pertencemos?

É fundamental percebermos o que realmente está faltando em nossas vidas para não nos deixarmos seduzir pelo prazer volátil do consumo. Este não suprirá nossas carências mais profundas. Temos várias necessidades físicas, emocionais, intelectuais, sociais, espirituais, que devem ser atendidas para que tenhamos uma saúde integral. Só assim estaremos fortes para resistir aos apelos do capitalismo.

Para muitas de nós, o dinheiro ainda é um tabu e algo estranho, do qual muitas têm medo. O aliado do medo é a ignorância. Informe-se! Conheça o mercado financeiro! Estude as melhores opções de investimento para você!

É importante pensarmos que “se somos capazes de produzir dinheiro, também o somos para gerenciá-lo, de forma criativa e inteligente”. Aprender a gerar e poupar dinheiro, sabendo desfrutar dele são atitudes sábias!

É recorrente vermos mães sentirem-se culpadas por estarem pouco em casa e tentarem suprir esta ausência com presentes e guloseimas aos filhos. A culpa, aqui, é a inimiga nº1 do enriquecimento, pois ela fomenta o desperdício. É impossível aliviar a culpa de nossa ausência com bens materiais. Precisamos separar dinheiro de afeto, pois estas misturas produzem dívidas descabidas.

Trabalhar e enriquecer, sem deixar de ser feminina, é possível. Nosso desafio é sermos competentes nesta tarefa de organização financeira, sem nos masculinizarmos e sem nos desligarmos de nossa real natureza. Podemos ter sucesso financeiro, com maturidade, segurança e delicadeza, que é a marca registrada das mulheres que somos!

Autor: Angélica Rodrigues Santos